Desenhar é a melhor forma de expressão da criança

Compartilhe Share on Facebook6Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someonePrint this page

Muitas vezes a criança nem tem a habilidade de pegar corretamente o lápis ou giz de cera na mão, mas basta que tenha uma folha de papel à frente para que comece a traçar riscos que resultam em imagens incompreensíveis para qualquer pessoa.

Todo individuo passa por isso e a esse processo dá-se o nome de garatuja. E pode até parecer que aquele monte de rabiscos não ajuda em nada. Mas é a partir daí que a criança coloca em prática a sua motricidade ampla e a liberdade total dos seus movimentos, além de começar a organizar o pensamento para fases importantes da aprendizagem, como explica a psicóloga do Colégio Humboldt, Karin Kenzler. “Esse estágio ao qual a gente chama de garatuja ou rabisco é o precursor do desenho e também da escrita e, normalmente, segue até os dois anos.”

Você sabe quais os brinquedos e brincadeiras para crianças de 0 a 2 anos?

A partir dessa idade, segundo a especialista, a criança entra em uma nova fase, a qual os especialistas se referem como fase do fracasso, uma vez que a criança já tem a intenção de desenhar algo, mas ainda não consegue. Essa etapa também pode ser chamada de garatuja nomeada. “É comum que a criança passe a nomear o desenho. Ela pode dizer aquilo que foi desenhado é um cachorro embora não se veja cachorro nenhum”, afirma Karin.

Já próximo dos quatro anos, as intenções se tornam mais claras, principalmente porque a criança passa a representar no papel aquilo que ela vê; normalmente são figuras de cachorro, de uma bola, da mãe. Só então é que a criança passará a ter habilidade para desenhar mesmo aquilo que não vê a partir do resgate da imagem que tem guardada na memória.

Mas, independentemente da fase que a criança esteja, o desenho e a pintura devem ser vistos como importantes aliados. ” O desenho é um importante instrumento para a criança na elaboração dos sentimentos e, por isso, tem efeito terapêutico. Mas, para os psicólogos e pedagogos, é uma importante ferramenta porque permite que se perceba como a criança está internamente, como está a realidade dela, como são suas relações interpessoais, ou como está a sua autoimagem. Então o efeito é similar ao de um raio-x para um ortopedista, por exemplo”, explica a psicóloga.

Além de ser uma janela para o interior da criança, o ato de desenhar ou pintar tem a capacidade de desenvolver vários aspectos, como a coordenação motora, a visão, o movimento das mãos, organização do pensamento, construção das noções espaciais, além da cognição.

Soldadinhos sem chumbo: Conjunto de soldadinhos cartonados em base de madeira para montar, pintar e brincar.

Soldadinhos sem chumbo: Conjunto de soldadinhos cartonados em base de madeira para montar, pintar e brincar.

Oferecer materiais e recursos para desenvolver o lúdico é essencial

É importante que pais e educadores estimulem as crianças e criem oportunidades para que as atividades lúdicas sejam um hábito, uma vez que, segundo a psicóloga do Colégio Humboldt, Karin Kenzler, elas são fortes aliadas para o desenvolvimento infantil como um todo. “É importante ter o material à disposição, pintar junto e, assim, acompanhar o desenvolvimento da criança a cada estágio ciente do que está acontecendo com ela, da mesma forma como a gente observa sintomas físicos.”

Vale lembrar ainda que, assim como o desenho, a pintura é uma grande parceira no desenvolvimento infantil. Portanto, oferecer materiais é muito valoroso e não deve ser uma tarefa delegada somente à escola. Os pais podem, por exemplo, investir em brinquedões customizáveis, sejam de madeira ou papelão. Com eles, as crianças têm a chance de criar algo muito pessoal e desenvolver as habilidades motoras, seja pintando grande espaços ou cuidando para que os contornos fiquem perfeitos. Além do mais, com esse tipo de brinquedo, a criança pode exercitar o lado lúdico: ao pintar uma casa de papelão com a cor vermelha, por exemplo, ela pode estar fazendo alusão a uma unidade do corpo de bombeiros. Bastam tinta e disposição para que o brinquedo se torne algo ainda mais atraente para as crianças, que podem desenvolver suas habilidades motoras e artísticas enquanto se divertem.

 

Safari: Conjunto de animais selvagens, árvores e um jipe para montar, pintar e brincar. Favorece a coordenação visiomotora e estimula o lado artístico da criança.

Safari: Conjunto de animais selvagens, árvores e um jipe para montar, pintar e brincar. Favorece a coordenação visiomotora e estimula o lado artístico da criança.

 

Dica |Desenhos também podem criar alertas

Normalmente, os desenhos e pinturas são uma representação da realidade das crianças. É comum, portanto, que elas desenhem pais e mães distantes uns dos outros, caso os pais estejam se separando, ou que desenhem a si mesmas muito pequenininhas diante dos outros se têm baixa autoestima ou até mesmo façam pinturas mais violentas se assistiram a algum filme ou jogaram um jogo mais agressivo. Em muitos casos, basta uma conversa com os pais, responsáveis ou com a própria criança para que tudo volte ao normal. Outras vezes, no entanto, é preciso ficar mais atento. “Se é uma coisa alarmante, frequente em todos os desenhos, como arma, tiro, tinta preta, é preciso, no caso do professor, chamar os pais para uma conversa e, se for algo que chame muito a atenção, encaminhar para uma avaliação com um profissional”, afirma Karin.

Conheça alguns brinquedos de papel, papelão e madeira da La Malle Magique que as crianças podem pintar e desenhar, desenvolvendo as habilidades motoras e a criatividade clique aqui.

Compartilhe Share on Facebook6Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someonePrint this page

2 thoughts on “Desenhar é a melhor forma de expressão da criança

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *