A ARTE E A INSPIRAÇÃO DOS BRINQUEDOS DE PAPELÃO

Compartilhe Share on Facebook2Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someonePrint this page

Não são apenas as caixas e papéis que temos em casa que podem virar brinquedos. Pensando na questão da sustentabilidade e nos momentos importantes que os pais passam com os filhos, a desenhista industrial Debora Schor, criou a Ludiks, uma empresa focada apenas em desenvolver brinquedos de papelão.

Com apenas três anos de história, a ideia surgiu quando a empreendedora fazia seu mestrado em design de produto, em Milão, “percebi que na Europa esse já era um conceito muito usado. Então, quando voltei para o Brasil, achei que existia um mercado para brinquedos de papelão. Com os primeiros produtos, recebemos um bom feedback dos clientes e uma procura para mais brinquedos”, conta Debora, que a partir daí investiu na ideia.

Casa, Foguete, Balão e Avestruz foram os primeiros a serem criados, hoje o portfólio conta com 10 brinquedos diferentes, desde os grandões, que cabem uma criança dentro, como a casinha, até as versões menores.

Além disso, cada um deles pode ser montado, desmontado e quando fechados quase não ocupam espaço, mais uma vantagem do produto para as mamães que, muitas vezes, não sabem onde guardar tantas coisas que os pequenos acumulam.

Deixando a brincadeira ainda mais divertida, as crianças podem desenvolver cada vez mais suas habilidades cognitivas personalizando o seu brinquedo, pintando-o com giz de cera ou canetinha.

A ideia da Ludiks chega juntamente com a preocupação dos pais em oferecer possibilidades diferentes de brincar, atividades estas que fujam um pouco dos tablets, celulares e videogames, ou melhor dizendo, que equilibrem esta equação. E para isto, a participação dos adultos é fundamental, e é este o conceito da marca. “Para montar os brinquedos é preciso a ajuda dos pais. Com isso, conseguimos uma interação maior entre eles e os filhos, diferentemente de outros brinquedos em que as crianças ‘brincam’ sozinhas”, afirma Debora.

Material utilizado

Falar em papelão é pensar também no papel sustentável que o produto representa na sociedade. Por ser 100% neste material, a procedência da matéria-prima também é uma das preocupações da empresa, todos os brinquedos são feitos com reciclados ou recicláveis. “Todo o papelão que a Ludiks utiliza possui certificado”, garante a diretora da empresa.

Inspiração para novas brincadeiras

De acordo com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq) 20% da fatia do mercado corresponde aos brinquedos educativos. O que mostra que mesmo com toda a tecnologia e crescente oferta de produtos importados, a família brasileira reconhece a sua importância pedagógica para uma criança.

Além disso, os brinquedos de papelão estimulam as crianças a criar os seus próprios brinquedos a partir de materiais que se têm em casa e provavelmente iriam para o lixo. E é isso que os pais devem incentivar em seus filhos, o poder da imaginação.

Uma caixa de sapato pode virar uma câmera fotográfica ou uma cama de boneca, rolinhos de papel higiênico um lindo trenzinho, uma caixa grande de máquina de lavar se transforma em uma casinha muito divertida, ou quem sabe um castelo das princesas ou um barco dos piratas, a mente das crianças é fértil e criar seus próprios brinquedos estimula suas habilidades cognitivas desenvolvendo a criatividade e o processo de aprendizagem.

O papel dos pais na brincadeira

Muitas vezes tudo o que uma criança quer não é o videogame de última geração, mas momentos únicos e exclusivamente com os pais. E isso está cada vez mais difícil na sociedade moderna, onde os adultos a cada dia possuem menos tempo livre e em função do trabalho acabam abrindo mão deste tempo com os filhos.

Camila tem 7 anos, é a primeira filha do casal de advogados Mariana e Daniel Prata. Ambos trabalham em média 12 horas por dia, isto sem contar o trajeto para ir e voltar da empresa. Esta rotina corrida e acirrada prejudica o tempo com os filhos.

“Sabemos da importância de se dedicar às crianças em momentos de lazer e descontração, mas confessamos que, muitas vezes, chegamos tão cansados que nos falta energia para entreter nossos filhos”, lamenta Mariana.

Este período não dedicado aos filhos não volta mais, porque as crianças evoluem muito rápido e passam de uma fase para outra ao piscar dos olhos. É extremamente importante o contato diário com os pais em atividades que sejam divertidas e ao mesmo tempo lúdicas.

“Durante a semana é difícil, mas sempre que dá nos esforçamos para dedicar pelo menos uma hora por dia para a Camila, que está em fase de alfabetização e integração social na escola. Quando não conseguimos, procuramos levá-la para um passeio diferente no fim de semana, teatro, parques, museus, cinema, enfim. Geralmente ela escolhe o lugar”, afirma Daniel. Além disso, o casal sempre pede para que ela desenhe ou escreva o que mais gostou de fazer no fim de semana e ela sempre retrata que foram os momentos que estavam com o casal.

Já para a Renata, mãe de Clara (9) e Luciana (4) a realidade é outra. Ela não trabalha fora, na verdade, abdicou da sua carreira como jornalista, assim que a mais velha nasceu, para se dedicar exclusivamente à família e não se arrepende, diz que foi a melhor decisão que tomou.

“Confesso que às vezes sinto falta da correria das redações, mas logo esqueço quando eu tenho que correr atrás das duas”, se diverte Renata.

Claro que os brinquedos de última geração atraem as crianças, mas pelo menos duas vezes por semana, após à escola as meninas se realizam com o que ela batizou de Atelier da Criatividade. “Nestes dias, nós três temos que criar um brinquedo novo usando material reciclado juntado pela família, e é claro que o papelão é um dos mais usados, desenvolvemos juntas um único brinquedo, isto estimula a amizade entre as irmãs, a capacidade de negociação, o espírito de equipe e a criatividade, é um dos momentos que elas mais gostam, perdemos até a noção do tempo, mas tenho certeza que serão estas brincadeiras que elas irão levar como lembrança pelo resto da vida” diz a jornalista com orgulho.

Sendo assim, se você quer estimular a criatividade de seus filhos criar brinquedos de papelão com certeza é divertido, isto porque é um material barato, fácil de encontrar, manusear e também é resistente. Cada dia um brinquedo novo, cada dia uma nova história, seja enquanto ele está sendo pensado, desenvolvido, finalizado e utilizado, afinal aprender com o brincar é a forma mais divertida de crescer.

Gostou do nosso artigo?  Compartilhe com seus amigos e deixe seu comentário!!  Até breve!

Compartilhe Share on Facebook2Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someonePrint this page

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *