BRINCAR É… O PRIMEIRO PASSO PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE POR MEIO DO LÚDICO

Compartilhe Share on Facebook13Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someonePrint this page

Muito se fala sobre a importância do brincar e do lúdico na vida da criança, mas será mesmo que o conceito de lúdico é comum para a maioria das pessoas?

Simplificar o termo é um bom começo para essa história, segundo a doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano, psicopedagoga clínica, presidente da AABBri (Associação Brasileira de Brinquedotecas) e pesquisadora na área Maria Célia Rabello Malta Campos. ” O lúdico, na verdade, é o mesmo que brincar. Toda brincadeira é uma atividade lúdica. Muitas vezes as pessoas falam do brincar e do lúdico; e a gente encontra isso até mesmo entre os professores. Mas o brincar, a atividade lúdica nada mais é do que o brincar pelo simples prazer, sem objetivos utilitários.”

A especialista conta que o termo lúdico vem do latim ludus, que é um adjetivo que qualifica a natureza do brincar. E isso pode ser feito por meio de um jogo de palavras ou de adivinha, por exemplo, sem a necessidade obrigatória de um brinquedo. ” O importante é a relação que a criança descobre com a situação ou com o objeto. A criança pode estar brincando com uma bola e estabelece uma relação com a bola mesmo sem estar jogando futebol, por exemplo. Quem determina se é brincadeira, ou não, não é a coisa e sim a relação que a criança ou o adulto estabelece com aquele objeto”, diz Campos.

Apenas quando está engajada na brincadeira ali estabelecida que a criança dá início ao processo de desenvolvimento que é sutil e natural, como explica a psicopedagoga. ” A brincadeira é uma ferramenta privilegiada de desenvolvimento em vários níveis porque a criança vai perceber as possibilidades do objeto e de se coordenar com ele. Ficar com uma bola parada em um plano inclinado, por exemplo, não é possível. Isso é uma maneira de descobrir o mundo e os objetos. Assim, a criança passa a desenvolver a coordenação, a descobrir as propriedades do objeto como o que é macio, o que pula, o que é pesado e então vai enriquecer suas habilidades físicas e de linguagem ao entender o que é e como é cada coisa. É ali que está a raiz da criatividade, quando a criança vai explorando e descobrindo a própria autonomia ao usar o mesmo objeto para diferentes possibilidades de brincadeira. Isso a faz se sentir mais segura e criativa e extrapola os limites da brincadeira chegando aos níveis de aprendizagem em geral.

O papel das brinquedotecas no desenvolvimento lúdico

A presidente da Associação Brasileira das Brinquedotecas Maria Célia Rabello Malta Campos comenta uma passagem que expressa bem a visão sobre essa ferramenta no país, em que uma professora afirma que não levava as crianças na brinquedoteca da escola porque ao chegarem lá elas só pensavam em brincar.

Isso revela que, para muitos, a brinquedoteca é um instrumento que se presta para o ensino, quando, na realidade, ela deve ser um espaço favorável para estimular a brincadeira.

A mentalidade de que tudo que é feito com a criança deve ter a finalidade de lhe ensinar algo deve ser modificada. As crianças são capazes de aprender naturalmente em espaços que possam partilhar ideias sem a interferência de adultos. E até mesmo os pais ou responsáveis podem se favorecer nesses ambientes se souberem usá-los para trocar ideias e informações sobre a criação das suas crianças. ” Os pais estão tão carentes de tempo para a interação social que ir a uma brinquedoteca deveria ser visto com uma boa chance de partilhar suas dúvidas e aprender novas habilidades”, diz Malta.

Dica | A criança deve estar encantada para que aquilo seja brincadeira

É bastante comum que um adulto inicie uma brincadeira e queira que a criança participe ativamente daquele momento. Mas será que ela está se divertindo com aquilo? Esse é um alerta a que os pais e responsáveis devem estar atentos. O costume de pedir para repetir a brincadeira mostra que aquilo está sendo prazeroso para o pequeno e que ele está encantado com aquilo. É importante não insistir em atividades que não despertem interesse ou prazer na criança para que brincar não seja estressante.

Gostou do nosso artigo?  Compartilhe com seus amigos e deixe seu comentário!!  Até breve!

Compartilhe Share on Facebook13Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someonePrint this page

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *